Quando escrevo este texto, estamos a dias dos Jogos, o clima de torcida começa a tomar conta do brasileiro e eu me pego pensando: “Como cobrar medalhas se o Brasil não oferece apoio? Se vivemos no país do futebol e apenas do futebol? O que sobra para outros esportes”.
Só para você ter uma ideia, há atleta de ponta na corrida e que vai competir no Rio com um salário de R$ 4.000 mensais do clube. Se tiver uma marca esportiva por trás, leva mais uns R$ 3.000 ou R$ 4.000. Se defende o exército, mais R$ 4.000. Pode não ser pouco para o Brasil, mas falamos do cara que está entre os melhores. Pelo que apurei, corredor que chegou ao topo pode ganhar R$ 20.000 de salário por mês, isso enquanto jogador do Corinthians, em início de carreira, que nem escalado para ficar no banco de reservas é, tem salário superior a R$ 40.000.

E o empresariado? Qual o papel das empresas no desenvolvimento do esporte no Brasil? Contamos nos dedos casos de sucesso, como o NAR – Núcleo de Alto Rendimento feito pela família Diniz. Mas é pouco, é irrisório. Não podemos cobrar nada dos atletas. Só sonhar com casos de superação, apesar da falta de apoio.

Confira a matéria completa aqui.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support