Os ouros e os recordes de Michael Phelps não são mais novidade em Jogos Olímpicos, mas as manchas roxas que ele exibe no corpo, sim.

A técnica que produz as chamativas marcas, porém, está longe de ser nova. O nadador americano é adepto da ventosaterapia, terapia da medicina chinesa indicada para alívio de dor e estresse.

O que acontece, segundo Alexandra Raffaini, médica intervencionista da dor do Hospital das Clínicas da USP, é que as ventosas sugam a pele e o sangue sai dos vasos. Isso aumenta a circulação local e o ácido lático –substância associada a dores musculares–, é retirado.

Há explicação para o alívio, mas não provas. “Não tem nenhum embasamento científico”, diz a médica.

O efeito placebo pode causar a sensação de bem-estar. Raffaini afirma que o efeito está presente em toda prática médica e que, de toda forma, a eficácia das ventosas é vista na prática clínica.

A falta de evidências não prejudica melhoras na autoconfiança dos atletas. “Se ajuda o psicológico, você vai potencializar o desempenho”, afirma Gilberto Coelho, especialista, pelo NAR (Núcleo de Alto Rendimento de São Paulo), em metodologia do treinamento.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support