Tênis, roupas, óculos, aparelhos eletrônicos: tudo o que Maíla Machado tinha de mais valor em sua casa em São Paulo foi levado por bandidos na virada do ano. Além da frustração pela impunidade com a violência sofrida e pela perda de várias lembranças materiais da Olimpíada do Rio, a terceira do currículo, a barreirista lamenta ainda o prejuízo no momento financeiro mais difícil da carreira. Sem clube e sem renda, a veterana de 36 anos se fia na esperança, na solidariedade do técnico cubano Santiago Antúnez e na estrutura do NAR-SP para manter-se na ativa. 

Confira a matéria completa aqui.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support