A cada três meses, em média, a rotina da Seleção Brasileira Paralímpica de Judô é interrompida por uma programação especial: uma bateria de testes de força e desempenho dos atletas, cujos resultados servem para nortear os treinamentos futuros.

A seis meses dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, é através dos números das avaliações neuromusculares que o grupo saberá se precisa de mais tempo na academia ou nos tatames na busca pelo ouro em agosto.

Grande nome do esporte, o peso médio e tetracampeão paralímpico Antônio Tenório saiu satisfeito com a força do peitoral, região importante para o judô. Foram 150 kg “de empurrão” medidos no teste de força isométrica máxima, principal indicativo de potência muscular.

O bom resultado é fruto de duas sessões diárias de treinos — uma focada em condicionamento físico e força, outra em técnica da arte marcial —, montadas especificamente para tirar do atleta seu melhor desempenho. O planejamento é feito pelo técnico da equipe, complementado pelo time do Núcleo de Alto Rendimento (NAR), um centro especializado em avaliação e preparação de atletas de nível olímpico.

Confira o resto da matéria aqui.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support